Cirurgia Ortognática: classes e tipos

A Cirurgia Ortognática é um dos procedimentos mais comuns realizados pelo Cirurgião Bucomaxilofacial. Ela é feita com o objetivo de corrigir deformidades dentofaciais ou dentoesqueléticas de origem, na maioria das vezes, hereditária. Outros fatores, além da hereditariedade, podem influenciar no surgimento ou agravar essas malformações, como por exemplo, chupar o dedo durante a infância. 

A definição da dentição permanente começa a ocorrer entre os 11 e 13 anos de idade. Nesta época, o Cirurgião Bucomaxilofacial consegue fazer uma avaliação clínica para saber se o paciente é um potencial candidato à Cirurgia Ortognática no futuro. No entanto, a realização do procedimento só é recomendada após o fim do crescimento ósseo (por volta dos 17 anos de idade). Isso porque a deformidade já estará completamente instalada e, assim, a recidiva (perda parcial do resultado por continuidade de crescimento facial anormal) seria minimizada. 

A partir deste diagnóstico, é feita uma proposta de tratamento que envolva a correção ortodôntica associada à cirurgia. Isso vai depender do tipo de deformação identificado. Continue lendo!

Deformidades Classe II

O Micrognatismo ou Retrognatismo é o que caracteriza a deformidade classificada como Classe II. Neste caso, a mandíbula (parte inferior) é pequena ou pouco desenvolvida, tornando-se menor que a maxila (parte superior) e ficando em uma posição anterior a ela. Esse posicionamento dá a aparência de “queixo pequeno” ou “queixo para trás”.  Tanto pode ter havido um pequeno crescimento horizontal da mandíbula (sentido ântero-posterior), quanto um grande crescimento da maxila no mesmo sentido.

Nesse tipo de má oclusão os dentes superiores podem se projetar para frente aumentando a distância para os dentes inferiores. Na Cirurgia Ortognática Classe II, pode-se alongar a mandíbula ou encurtar a maxila ou ambos os procedimentos simultaneamente, dependendo da gravidade caso. O reposicionamento mais anterior da mandíbula  repercutirá em melhora funcional (capacidade mastigatória e respiratória) e tornará a face harmônica (melhora da estética). 

Deformidades Classe III

A Cirurgia Ortognática Classe III é indicada em casos de Macrognatismo ou Prognatismo, quando a mandíbula (parte inferior) é maior que a maxila (parte superior), o que dá a aparência de mandíbula ou queixo grande. Neste caso, tanto pode ter havido um grande crescimento horizontal da mandíbula (sentido ântero-posterior), quanto um pequeno crescimento da maxila no mesmo sentido.

O Cirurgião Bucomaxilofacial pode optar, através do planejamento facial e tomográfico, por encurtar a mandíbula, alongar a maxila ou ambos os procedimentos simultaneamente, dependendo da gravidade do caso. Independente do tipo de reposicionamento escolhido, vale lembrar que a Cirurgia Ortognática é realizada por acesso intra-oral, ou seja, é feita por dentro da boca, não deixando cicatrizes na pele.

Se você sente algum incômodo e acha que precisa de uma Cirurgia Ortognática, agende já sua avaliação em um de nossos consultórios aqui, em Salvador!

Leave a Comment